Trabalho a Domicílio

Tanto em países ricos quanto em pobres, em todo o mundo, mais de 100 milhões de pessoas trabalham em seus domicílios, realizando trabalhos por telefone, tecendo tapeçaria, costurando peças de vestuário, fazendo bordados tradicionais e criando muitos outros tipos de produtos. Com o surgimento na segunda metade do século passado de cadeias globais e complexas de produção, o trabalho a domicílio cresceu exponencialmente.

A organização sob a forma de sindicatos, cooperativas ou outras associações pode ajudar os trabalhadores a domicílio a negociar valores mais altos por peça e condições de trabalho mais justas. Os trabalhadores podem também obter novas capacitações, melhores equipamentos de trabalho e informações sobre o mercado, a fim de ganhar competitividade frente ao dinâmico mercado global de vestimentas. Os trabalhadores podem também conseguir acesso a melhores moradias, serviços sociais e representação em níveis local, nacional e internacional. Os parceiros do Cidades Inclusivas, a SEWA, HomeNet South Asia e a HomeNet South East Asia são algumas das organizações que têm auxiliado os trabalhadores em domicílio a alcançar esses resultados.