Estórias Urbanas

O Projeto Cidade Inclusivas está Transformando Cidades e Trasformando Vidas

Em seus três anos de existência, o Projeto Cidades Inclusivas já apoiou muitos trabalhadores informais em todo o mundo na busca de leis e políticas urbanas favoráveis, moradia e infra-estrutura adequadas e serviços. Por meio de seu trabalho com os parceiros do Cidades Inclusivas, os trabalhadores têm construído voz, visibilidade e validez nas cidades, de forma global.

Também temos recolhido estórias de trabalhadores ao longo do caminho – tanto o que os trabalhadores têm alcançado por meio do trabalho com os projetos do Cidades Inclusivas, suas vidas e estórias urbanas, e as lutas que os trabalhadores informais continuam a enfrentar durante a crise econômica global. Abaixo você encontrará algumas dessas estórias.

Nós incentivamos você a fazer o download e a compartilhar estas estórias com sua organização, grupo de trabalho ou advogados trabalhistas. Você também pode encontrar aqui materiais para construir organizações fortes.

God is My Alarm ClockDeus é meu Despertador

Dona Maria Brás foi uma força incansável na luta das cooperativas de catadores brasileiros contra a perseguição e por condições dignas de trabalho e segurança social.

 

 

Organizando a Indústria da Paciência: Perfil de uma Trabalhadora Doméstica em Maputo, Moçambique

A camarada Albertina Mundlovo é uma líder na luta pela justiça para os trabalhadores domésticos em Maputo, Moçambique. Uma cidade portuária no oceano Índico, muito próxima da África do Sul, Maputo é o maior centro econômico de Moçambique e local de três organizações de trabalhadores domésticos. Albertina é membro do Sindicato Nacional de Trabalhadores Domésticos (SINED).

 

Salvando o “Mercado Mãe”: mobilizando vendedores ambulantes em Durban.

Salvando o “Mercado Mãe”: mobilizando vendedores ambulantes em Durban.

Quando um mercado histórico em Durban, África do Sul, foi ameaçado pelo desenvolvimento comercial, os trabalhadores do mercado e os vendedores de rua, com o apoio da organização Asiye eTafuleni, da campanha Cidades de Classe Mundial para Todos (World Class Cities for All – WCCA) e de outras organizações locais, juntaram-se para defender os direitos dos vendedores ao espaço público e para preservar um patrimônio que era um marco histórico da cidade.

Autocapacitação para alcançar mercados: Didi Bahini Sewa Samaj. HomeNet, NepalAutocapacitação para alcançar mercados: Didi Bahini Sewa Samaj. HomeNet, Nepal

A Didi Bahini Sewa Samaj apoia trabalhadores urbanos em domicílio através de treinamento, serviços de crédito e poupança e oportunidades de trabalho coletivo que melhoram a renda. Mas, igualmente importante, o grupo cria um espaço seguro para que as mulheres possam encontrar apoio mútuo e construir sua confiança.

 

Liderança decida e altruísta, na Jyoti Mahila Samuha. HomeNet, NepalLiderança decida e altruísta, na Jyoti Mahila Samuha. HomeNet, Nepal

yoti Mahila Samuha, uma cooperativa de produtores e organização participante da HomeNet Nepal (HNN), é um testemunho de quão importante é a liderança determinada, altruísta, na condução de um grupo que pode elevar seus membros e abrir oportunidades para vidas melhores.

 

Conduzindo a luta pela legitimidade: a União Malawi para o setor informal.Conduzindo a luta pela legitimidade: a União Malawi para o setor informal.

Quando o impacto da desaceleração econômica global sobre os trabalhadores informais em Malawi não foi noticiado ou reconhecido, o Sindicato Malawi para o Setor Informal (Malawi Union for the Informal Sector – MUFIS) ajudou a trazer o tema à luz pública e vendedores ambulantes tomaram as ruas para se manifestar pelo direito de assegurar sua sobrevivência.

 

Encontrando uma voz coletiva para se tornar visível: a criação da RENARECEncontrando uma voz coletiva para se tornar visível: a criação da RENAREC

Depois de quase três anos de trabalho contínuo, membros da RENAREC puderam celebrar, em julho de 2011, um marco organizacional importante: seu reconhecimento legal como Federação Nacional das Organizações dos Catadores de Materiais Recicláveis — um objetivo a que eles visavam logo que a rede foi estabelecida em dezembro de 2008.

 

A jornada de Varshaben: de vendedora de verduras à Vídeo SEWAA jornada de Varshaben: de vendedora de verduras à Vídeo SEWA

Mulheres jovens possuem poucas oportunidades de romper com os papéis que tradicionalmente se espera que elas assumam em suas famílias e como trabalhadoras. A história de Varsha demonstra de que modo o treinamento através da Academia SEWA permitiu a ela ultrapassar múltiplas barreiras e tornar-se uma profissional confiante e um exemplo em sua comunidade.

 

De trabalhadora a mestre de obras: a história de Gangaben VaniyaDe trabalhadora a mestre de obras: a história de Gangaben Vaniya

As mulheres constituem até 51% dos trabalhadores na construção civil e ainda recebem uma pequena parte do que é pago aos homens. A história de Gangaben Vaniya mostra de que modo as mulheres podem superar essa barreira estrutural por meio de treinamento e apoio de organizações tais como a Mahila Housing Trust.

 

Forneça um serviço melhor, o resto se seguirá. SWaCH PCMC levam os catadores de materiais recicláveis ao objetivo finalForneça um serviço melhor, o resto se seguirá. SWaCH PCMC levam os catadores de materiais recicláveis ao objetivo final

Em 2008, após muitas décadas de trabalho independente, mais de mil catadores de materiais recicláveis em Pune estabeleceram sua própria cooperativa de negócios. Eles adotaram o nome SWaCH devido ao queela representava: Solid Waste Collection and Handling (Coleta e Manejo de Resíduos Sólidos), que é o que os catadores de materiais recicláveis fazem, e também porque ‘swach’ em Marathi significa ‘limpo’, o que é o resultado de seu trabalho. Todos os lucros de suas atividades – coleta de materiais recicláveis de porta em porta, compostagem e produção de biogás – são divididos entre os membros da SWaCH. Seus clientes são a Corporação Municipal de Pune (PMC) e os cidadãos de Pune. A SWaCH coleta o lixo doméstico diário gerado pelas 280.000 famílias de Pune. Como resultado de sua colaboração com os catadores demateriais recicláveis de Pune, o PMC economiza aproximadamente Rs. 120.000.000 a cada ano.

Procura-se espaço na cidade. Ambulantes ganham espaço em Munger, BiharProcura-se espaço na cidade. Ambulantes ganham espaço em Munger, Bihar

Um grupo de catadores de materiais recicláveis empobrecidos em Munger, Bihar, Índia organizou-se para protestar contra a demolição de suas casas tradicionais para ceder lugar a um
viaduto ferroviário. Suas vidas e meios de vida foram desestruturados e nenhuma terra adequada lhes foi oferecida. Com o apoio da SEWA, os moradores levaram seu caso às autoridades do governo durante um
ano e meio enquanto viviam em barracas de plástico improvisadas. Em 18 de agosto de 2011, tendo esgotado todas as vias democráticas, dezenas de membros dessa comunidade iniciaram uma greve de fome.

Mulheres atrás do volante: a história de Satvashila PotekarMulheres atrás do volante: a história de Satvashila Potekar

Satvashila Potekar tem 40 anos. Sua mãe é uma catadora de materiais recicláveis, seus dois filhos vivem em um internato para crianças pobres, seu marido, um trabalhador alcoólatra da construção civil, abandonou a família há muitos anos. Ela vive em Khedegaon, um bairro da Corporação Municipal Pimpri Chinchwad (Pimpri Chinchwad Municipal Corporation – PCMC).

 

Catadores de materiais recicláveis ingressam na cena globalCatadores de materiais recicláveis ingressam na cena global

A chegada de um forte, bem preparado e articulado movimento de catadores de materiais recicláveis à Conferência do Clima nas Nações Unidas mudou as percepções. Antes desses eventos, os catadores eram invisíveis, tanto em relação a seu papel na administração do ambiente urbano, quanto aos impactos negativos que eles experimentam em decorrência da extensão dos projetos de utilização do lixo para a produção de energia (waste-to-energy). Os catadores de materiais recicláveis alcançaram novos patamares de influência e visibilidade com o apoio do Cidades Inclusivas e uma crescente aliança de organizações que apoiam sua luta.

Limpando o local de trabalho: saúde e segurança do trabalho em Gana Limpando o local de trabalho: saúde e segurança do trabalho em Gana 

A saúde e a segurança do trabalho são raramente levadas em conta em relação ao setor de trabalhadores informais, os quais trabalham, em geral, em condições invisíveis para a sociedade como um todo, para a qual eles fornecem bens e serviços indispensáveis. Por meio de pesquisa e treinamentos, a WIEGO começou a construir uma rede de organizações que está despertando a consciência e defendendo os direitos básicos dos trabalhadores no sentido de um ambiente de trabalho limpo e saudável.

Muitos comerciantes, uma só voz. Reflexões de líderes da MATO, África do SulMuitos comerciantes, uma só voz. Reflexões de líderes da MATO, África do Sul 

Através de suas experiências de organização nos mercados de Durban, lideranças do movimento em expansão de vendedores ambulantes ganharam mais confiança para confrontar as autoridades municipais e maior clareza sobre o papel que suas organizações desempenham na criação de cidades inclusivas.

 

Trabalhadores em domicílio levantam suas vozesTrabalhadores em domicílio levantam suas vozes 

Trabalhadores em domicílio, a maioria dos quais são mulheres, constituem uma força de trabalho invisível que chega a somar milhões de pessoas em todo o mundo, mas que possui pouca proteção, representação ou acesso à seguridade social disponível para outros trabalhadores, na economia. A HomeNet construiu redes na Ásia Meridional e no Sudeste Asiático, a fim de começar a tornar conhecida do público a realidade dos trabalhadores em domicílio. A partir de uma série de eventos em 2011, a HomeNet da Ásia Meridional (HomeNet South Asia) foi bem-sucedida em divulgar o perfil dos trabalhadores em domicílio na imprensa nacional do Paquistão e em aumentar a confiança dos trabalhadores para falar de sua situação.

 

Home-based Garment Workers -- the Impact of SEWACostureiras Domiciliares O impacto da Associação de Mulheres Autônomas – Self Employed Women’s Association (SEWA)  

Indiscutivelmente não há maior abismo em termos de riqueza econômica e poder de barganha do que entre a costureira domiciliar e o proprietário da grande fábrica ou empresa de varejo do setor de vestuário para a qual ela produz. A SEWA trabalha com algumas costureiras domiciliares para aumentar sua renda, melhorar seu equipamento, e desenvolver suas habilidades.

 

Nohra Padilla -- Third Generation Recycler and Advocate for Organizing for the Working PoorNohra Padilla: Terceira Geração de Recicladores Defende a Organização dos Trabalhadores Pobres 

Nohra nasceu em uma família de recicladores (catadores de materiais recicláveis), porém quando sua subsistência foi ameaçada ela se organizou com seus colegas recicladores para formar uma cooperativa que lutou para fazer suas vozes serem ouvidas.

 

StreetNet International:  Organizando Vendedores Ambulantes Inclusive Cities Urban Story StreetNet International

Vendedores ambulantes normalmente enfrentam o assédio da polícia, assim como condições de trabalho difíceis e inseguras. A capacidade dos vendedores ambulantes de melhorar sua renda e suas condições de trabalho aumenta quando eles se unem.

 

De Recicladores a Diplomados Universitários em uma Geração:  A História da Família More

Susan More melhorou suas condições de trabalho e renda com a organização conjunta com outros recicladores através da KKPKP (sindicato de recicladores). Antes de se envolver com o KKPKP, Suman coletava materiais recicláveis na beira da estrada e em cestas de resíduos, trabalhando longas horas em condições difíceis e anti-higiênicas. Suman agora melhorou suas condições de trabalho e renda e forneceu (juntamente com seu marido) educação e oportunidades para seus filhos.