Realização em Conjunto: estagiário da AeT eleito o “Aluno de Arquitetura do Ano” de 2013 em sua Região

by

por Tasmi Quazi

Mongezi Ncube, estagiário da AeT, durante uma sessão de experiência de trabalho com Cozinheiros de Milho. Foto: Tasmi Quazi.

A tese de Mongezi explora a informalidade urbana como geradora de construções significativas através de sua proposta para um centro comercial multiuso em Warwick Junction. A construção proposta tem como objetivo o apoio de comerciantes informais que precisam de um espaço produtivo para facilitar seu trabalho. O desafio de design central apresentado por ele é “Por que não ter a coragem, quando isso for prático, de deixar as pessoas darem forma a seu próprio ambiente?”

Para testar tal desafio, Mongezi abordou a AeT para ter a oportunidade de trabalhar diretamente com os comerciantes informais e melhor entender suas necessidades de infraestrutura. Cozinheiros de milho, catadores informais e mecânicos de táxi foram identificados como os “clientes” da construção proposta.

Com relação às descobertas feitas graças à AeT, Mongezi afirma que “algumas semanas antes do prazo para concluir os tópicos da tese, a AeT fez uma palestra sobre design com os trabalhadores informais. Foi nesse momento que percebi que havia encontrado um ponto que tratava das necessidades imediatas da comunidade. Durante a palestra, a AeT mostrou os diversos desafios enfrentados pelos comerciantes informais em seu ambiente. Naquele momento, decidi enfrentar esse desafio e participar ativamente da discussão… O tempo que passei com a AeT me fez perceber que várias pessoas dependem da economia informal, que é uma parte integral da nossa economia na qual não costuma prestar atenção. Ela é composta de algumas das pessoas mais engenhosas que já conheci… Com todos os desafios que o nosso país enfrenta, isso é algo que precisa ser observado mais do que fazemos atualmente.”

Com relação às suas percepções – e aspirações – do setor de ambiente construído, ele afirma que “meu tempo com a AeT revelou aspectos negativos das respostas do ambiente construído à economia informal. Vem sendo feito um trabalho significativo nesse campo, mas a maior parte desse trabalho mal chegou à ponta do iceberg. Ainda há mais perguntas do que respostas. É quase impossível encontrar qualquer material documentado significativo que tenha tentado fazer tal conexão.

Acho que nós, como arquitetos (no meu caso, um futuro arquiteto), esquecemos das pessoas comuns das ruas. Passamos tanto tempo tentando superar uns aos outros que parece que esquecemos dos usuários de nossas criações. Se minha carreira pudesse ter um impacto em meu campo, seria o de fazer arquitetos e urbanistas lembrar-se do que estão fazendo e para quem deveriam estar fazendo.

No primeiro ano, prometi a mim mesmo que jamais esqueceria, na minha carreira de arquiteto, de onde vim e as pessoas que fizeram de mim quem sou. Realmente adoraria fazer mais projetos para a comunidade e participar ativamente com eles para contribuir de maneira significativa para nossa sociedade.”

Mongezi explica melhor a idéia de construção “significativa” explorada através de seu design:

Desenhos renderizados de Mongezi e o modelo do Centro Comercial Multiuso.

“O objetivo do design foi fornecer uma construção na qual as pessoas podem definir sua configuração. Isso foi atingido através de consultas com todos os envolvidos relevantes, já que a participação da comunidade capacita as pessoas dentro de um contexto específico para influenciar a maneira como desejam que a construção seja configurada. Isso também tem o benefício de certificar que a construção tenha valor e seja significativa para os trabalhadores informais, já que eles recebem a oportunidade a aplicar o conhecimento que eles mesmos desenvolveram.”

Quando perguntado como a premiação foi vista por sua família, ele respondeu que “às vezes, parecia que todos estávamos estudando arquitetura. Eles me ouviam divagar sobre conceitos e teorias de design e tentavam participar sempre que podiam. Foi durante essas “conversas” que tive as melhores idéias.

Quando tudo chegou ao fim, há algumas semanas, a expressão no rosto deles dizia tudo. Meus pais (Sibusiso e Nkosingiphile Ncube) estavam com aquele olhar que todos os filhos lutam para ver em seus pais… Uma sensação de orgulho… E pareceu que havíamos conquistado algo que eles não conseguiram em seu tempo, mas agora sim, através de mim.”

A reflexão de Mongezi de que sua premiação foi conquistada em conjunto é uma afirmação da abordagem da AeT – a de que design e o planejamento urbanos são um processo cooperativo. Além disso, sugere que quantos maiores os níveis de colaboração, maior o significado da construção resultante para os trabalhadores informais.